21 de setembro de 2015

Papa Francisco pede a cubanos que sirvam aos mais frágeis na sociedade

Apesar de ter tido papel determinante na reconstrução histórica das relações entre Estados Unidos e a ilha comunista, o Santo Padre não tocou no assunto durante a homilia

 Vestidos de branco em sua maioria, milhares de cubanos lotaram hoje (20) a histórica Praça da Revolução, em Havana, para a primeira de três missas que serão celebradas pelo papa Francisco em Cuba.

Apesar de ter tido papel determinante na reconstrução histórica das relações entre Estados Unidos e a ilha comunista, o Santo Padre não tocou no assunto durante a homilia.

Francisco chegou no papamóvel à mesma praça em que também estiveram os papas João Paulo 2º (1998) e Bento 16 (2012). Ele destacou que os cristãos cubanos devem "servir" aos mais frágeis na sociedade, não “se servir dela”. O Sumo Pontífice defendeu a rejeição de qualquer ideologia no ato de servir. “Quem não vive para servir não serve para viver. O serviço aos outros não pode ser jamais ideológico, do ponto de vista que ele não serve às ideias, mas sim às pessoas”, afirmou.

Na homilia, Francisco se referiu aos cubanos como "um povo que tem gosto pela festa, pela amizade, pelas coisas belas". "É um povo que tem feridas, como todo povo, mas que sabe estar com os braços abertos, que marcha com esperança, porque sua vocação é de grandeza", disse o papa.

Encontro com Fidel Castro
O papa Francisco encontrou-se hoje com o ex-presidente cubano Fidel Castro. Segundo o Vaticano, os dois conversaram sobre vários temas do mundo atual e trocaram presentes de cortesia.

De acordo com o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, o papa foi recebido na casa de Fidel Castro, em Havana, num “ambiente muito familiar e informal”. Segundo ele, o encontro durou cerca de 40 minutos na presença de vários parentes do ex-presidente cubano.

No encontro, Francisco e Fidel Castro falaram sobre vários temas da atualidade, principalmente sobre meio ambiente, e trocaram livros. O papa ofereceu a Fidel a encíclica Laudato Si, que trata do meio ambiente, e um livro sobre a relação entre humor e religião. Em troca, recebeu a obra Fidel y la Religión, com uma entrevista concedida pelo ex-presidente cubano ao teólogo brasileiro Frei Betto em 1985.

Fora do poder desde 2006, Fidel Castro, de 89 anos, também encontrou-se com o papa anterior, Bento 16, quando este visitou Cuba em 2012.